Terça-feira, 11 de Março de 2008

Tão só acredito em ti! (baseado in I Can See Clearly)

Não vou lá abaixo abrir-te esse portão
Encontras e fazes tudo à tua beira
Tem dó por verem orientar-te p’lo tacto
Só porque lês em Braille
Braille, Braille, Braille
Desenrascas-te sem mais ninguém
 
Só porque lês em Braille
Braille, Braille, Braille
Desenrascas-te sem mais ninguém
 
Eu sei que diferente para gente nem sempre é bom
Olhos que vêm o que não havia de existir
E outros que te seguem seja onde for
Só porque lês em Braille
Braille, Braille, Braille
Desenrascas-te sem mais ninguém
 
Se for fazer algo
Não têm logo que o ajudar
Infeliz não tem de ser
Só por não enxergar…
 
Não vou lá abaixo abrir-te esse portão
Encontras e fazes tudo à tua beira
Têm dó por verem orientar-te p’lo tacto
Só porque lês em Braille
Braille, Braille, Braille
Desenrascas-te sem mais ninguém
 
Só porque lês em Braille
Braille, Braille, Braille

Desenrascas-te sem mais ninguém

Sinto-me: Preconceituoso

As Mais Diversas Desculpas Para Evitar Beberem Água…

Não sabe a nada;
Somente não presta;
Não satisfaz;
Serve para lavar a cara, as mãos, os pés, tomar banho, logo não para beber;
Enferruja;
Estraga o “vasilhame” (“apodrece a boa madeira”);
Cria rãs;
Pode afogar;
Faz urinar mais;
Dá congestões;
Faz inchar a barriga das pernas;
Lava as tripas;
É para meninos;
É para meninas;
Não é de homem:
Não dá força;
Tira a “força”/cor ao sangue;
É para quem está doente;
Para quem anda a tomar remédios;
Sinto-me: Hidrofóbico
Roído por Maganão às 15:31

Ratoeira do post | Envenenar (comentar!) | favorito
Domingo, 2 de Março de 2008

Abelhas

Metidas num tosco cortiço
Pelo fumo de centelhas
Ou no beirado dum caniço
Num intervalo das telhas
Impera o sagrado compromisso
Guardar a mãe das abelhas.
 
Todas elas domésticas “Marias”
Cuidando das suas crias
Que como que feitiço
Seguem como ovelhas
Sem lhes importar isso
Trabalhar e morrer velhas.
Não, não interessa quem
Se voltou mal ou bem
Mas se os bolsos que tem
Pode ir enchê-los mais alguém.
Consideram o bem comum
Defender dos que se aproximarão
Um por todos, todos por um,
Não haverá honras nem louvores
Quando perderem o ferrão
 
Intervém também o zangão
São os nobres machos senhores
Servem apenas de progenitores
Comem o doce pão
Mais nenhum contributo dão
Se não esperar pelos calores
Da realeza na devida ocasião.
 
Oh soberba e ostentação
Tirania dos que desde nascença
Reclamam bens e servos por filiação
E impõem esta sentença.
 
Pobres sem solução
Órfãos da oportunidade
Aqueles que são
Desprovidos da vaidade
E se vêem continuamente na mão
Dos da sorte e se gabam de habilidade.
Mas também acreditem que não
Ser virtude ou qualidade
A ambição de ter
Quando avarenta é prioridade
Incapaz de partilhar ou ceder
Aos que rondam a comunidade.
Mesmo só obedecer
Sem iniciativa, razão
Ou visão para ver
Para além da sua fatalidade
Perdida está a satisfação
Encontrar digno sentido de verdade.
 
E oportunistas olhai que é certo
Um vazio tendes apenas encoberto
E aumentará saqueando os por perto
Vossa existência uma precariedade.
Sinto-me: um insecto!
Roído por Maganão às 18:15

Ratoeira do post | Envenenar (comentar!) | favorito

>‘.’<)---Culpados!

>‘.’<)---Mirones!


Contador Grátis

>‘.’<)---Atempadamente:

>‘.’<)---Ninhos de papel

>‘.’<)--- Agosto 2015

>‘.’<)--- Março 2015

>‘.’<)--- Julho 2014

>‘.’<)--- Dezembro 2013

>‘.’<)--- Novembro 2013

>‘.’<)--- Julho 2013

>‘.’<)--- Junho 2013

>‘.’<)--- Fevereiro 2013

>‘.’<)--- Outubro 2012

>‘.’<)--- Setembro 2012

>‘.’<)--- Agosto 2012

>‘.’<)--- Julho 2012

>‘.’<)--- Abril 2012

>‘.’<)--- Novembro 2011

>‘.’<)--- Setembro 2011

>‘.’<)--- Julho 2011

>‘.’<)--- Abril 2011

>‘.’<)--- Março 2011

>‘.’<)--- Janeiro 2011

>‘.’<)--- Dezembro 2010

>‘.’<)--- Setembro 2010

>‘.’<)--- Agosto 2010

>‘.’<)--- Junho 2010

>‘.’<)--- Março 2010

>‘.’<)--- Janeiro 2010

>‘.’<)--- Dezembro 2009

>‘.’<)--- Outubro 2009

>‘.’<)--- Setembro 2009

>‘.’<)--- Agosto 2009

>‘.’<)--- Julho 2009

>‘.’<)--- Junho 2009

>‘.’<)--- Maio 2009

>‘.’<)--- Abril 2009

>‘.’<)--- Março 2009

>‘.’<)--- Fevereiro 2009

>‘.’<)--- Janeiro 2009

>‘.’<)--- Dezembro 2008

>‘.’<)--- Novembro 2008

>‘.’<)--- Setembro 2008

>‘.’<)--- Abril 2008

>‘.’<)--- Março 2008

>‘.’<)--- Janeiro 2008

>‘.’<)--- Setembro 2007

>‘.’<)--- Agosto 2007

>‘.’<)--- Junho 2007

>‘.’<)--- Maio 2007

>‘.’<)--- Abril 2007

>‘.’<)--- Fevereiro 2007

>‘.’<)--- Janeiro 2007

>‘.’<)--- Dezembro 2006

>‘.’<)--- Novembro 2006

>‘.’<)--- Outubro 2006

>‘.’<)--- Setembro 2006

>‘.’<)--- Julho 2006

>‘.’<)--- Junho 2006

>‘.’<)---"Tocas"

>‘.’<)---Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31

>‘.’<)---Farejar nesta toca

 

>‘.’<)---Queijos recentes

>‘.’<)--- Composição “As minhas fér...

>‘.’<)--- Considerações do Show (da...

>‘.’<)--- Há Volta...em Fafe!

>‘.’<)--- Passear ou ser passeado.....

>‘.’<)--- O amor e o coração…o fim ...

>‘.’<)--- Marés Vivas…o engodo!

>‘.’<)--- Peculiaridades do dia Rih...

>‘.’<)--- Promoções da Ordem

>‘.’<)--- Prémio Nobel - Mais que j...

>‘.’<)--- O que aconteceu?!

blogs SAPO

>‘.’<)---subscrever feeds