Segunda-feira, 18 de Setembro de 2006

Poema vazio

Para falar num abstracto vazio

Que nalguns versos pelo meio

De calor no peito, alheio com fastio

Meto afectos em cada suspiro cheio.

 

Ainda que também ai encontre solidão

Não escrevo do vazio duma enorme sala

Mas no perdido que sinto de quem se fala

Apenas nos aposentos do meu coração

 

Abraço vazio em meu próprio redor

Paixão como ar ou lá o que for

Que dentro dum frasco não é nada,

Sem a pessoa, a essência desejada

 

Mas por mais atento e esquecido me faça

O tempo em bicos de pés mal passa

Numa ausência que sozinho me maça

Não ver e ouvir mesmo dela sua graça.

Sinto-me: vazio!

A pequena fábula dos «divorciados»

Numa época já bem distante

Tempo onde todos os animais convivem

A história de um amor rastejante

Que duas pequenas minhocas mantêm

 

Depois de muito se arrastar

Debaixo duma pedra redonda com um furo

Pegajosamente entrelaçados no escuro

Contraíam-se juntos aquele par

 

Mas eis que após breve matrimónio

Assoma a tentação do demónio

A meio se intromete uma sanguessuga

Com quem um deles se pôs em fuga

 

Ela incrédula – essa desfeita, ele fez-ma?

Partilharam então “cornos” das traições à resma,

Para ele a casa, que para os dois fora a mesma

E enfim separados, são agora o caracol e a lesma.

Sinto-me: mole...
Roído por Maganão às 09:35

Ratoeira do post | Envenenar (comentar!) | favorito

Canção do emigrante

Carlinhos leva a Laura apressado

Para poder casar p’la igreja

Foge do pai da Son do Prado

Que está grávida de inveja.

 

E depois lá naquele esconso

A França é que foi dar dinheiro

Carlinhos deu em mariconso

E Laura mal tapava o cagueiro

Sinto-me: um turista!!!
Roído por Maganão às 09:34

Ratoeira do post | Envenenar (comentar!) | favorito

Libertação

É uma aldeia não muito longe do mar, encarcerada por barreiras montanhosas como se de pirâmides se tratasse, e onde só a maré todos os dias a visitava. As estradas são feitas de calçada à portuguesa, desgastadas pelos séculos e pela vida. Há caminhos de terra batida, por vezes íngremes, delimitados pelas paredes, algumas mesmo muralhas, feitas da velha Piçarra e onde o musgo e as ervas daninhas teimam em se instalar. Aqui e ali surgem os velhos portões de ferro coberto de alcatrão, verdadeiras fronteiras em redor das casas de pedra todas do mesmo branco sujo pelo tempo, caiadas com a cantaria habilidosamente picada a enfeitar, nos topos e nos cantos, os rústicos lares.

 Aqui o tempo veio sem pressas e, por isso, passa mais devagar. Lentamente, o gado puxa os carros que chiam, dirigindo-se para os pequenos campos, retalhados e dispersos; longe do povoado, avistam-se penosas leiras onde poucos ainda conseguem trazer algumas migalhas de pão, à custa de muito trabalho feito de sol a sol. Muitas vezes, até antes do dia acordar, já há aqueles que estão carregando a sua penitência. Curvados. Devagar. Tendo o tempo e a solidão como companhia. Vida dura, onde até a água tem de ser puxada do velho poço e a roupa lavada nas pedras polidas do rio. Mas agora esta agricultura impõem-se só para aqueles que dela viveram e sobreviveram. Os mais novos com a força da sua juventude, fogem, procurando novos rumos mais prometedores, deixando para trás os que já não tem força nem coragem nem vontade para os acompanharem.

É nesta terra humilde que mora Ti Elidio. Dos anos quase perdeu a conta e bastante abatido pela idade, bem merecia aliviara-se um pouco da fadigada luta pela vida. Vive só o Ti Elidio. É verdade que no rancho de filhos que com eles e os avós se criaram, ainda conserva alguns ali, como seus vizinhos e sempre que podem vêm visitá-lo. Mas e o resto do tempo. O baralho de cartas cheio de caruncho ou o dominó do armário cada vez fazem menos sentido pois já quase não há alturas para jogar com alguém. Viúvo passa as horas sozinho. Umas vezes na cama, no colchão de palha acordado, revirando-se de um lado para o outro, agarra dos aos cobertores e malhando com os dentes uns nos outros a tremer de frio. Outras vezes ao calor do lume ou ao calor das brasas com um gato “feijoeiro” que, de Inverno apenas descansa o corpo, aquecendo-se ao borralho. Mas do que Ti Elidio mais gosta é de estar na sala. Numa cadeira de baloiço, de madeira já picada do bicho, com uma almofada nas costas para “ aguentar as cruzes”, como ele diz, pois os rins já se vão queixando. Aí, lê uma e outra vez a Bíblia, que quase sabe de cor, para encontrar algum alento no destino que a todos nos espera. Outras vezes encontrando um pau no meio da lenha, afia-o com a navalha de enxertar, já de muito uso e algumas falhas, deixando cair as aparas no chão, como se fossem bocados da sua vida solitária. Ou com a sua paciência, vai carpinteirando alguma coisa escangalhada ou mais desconchavada. A maior parte das vezes, contudo, olha para as paredes daquela casa que já pertencera aos seus antepassados e que tinha ficado para ele pois fora quem cuidara dos pais, ao mesmo tempo que ia criando a sua numerosa família. Para melhor abrigar os seus, restaurara a casa com ajuda de mão amiga: telha nova, acrescentos, estuque. Mas isso foi há muito tempo. Tanto que o ti Elidio quase já nem se lembra quando. Agora é uma enorme mansão vazia, com ele prezo lá dentro. Nem á missa vai por lhe custar e não lhe ser aconselhável sair de casa.

Está perto o Natal. Esta é uma das poucas vezes em que a sua família se reencontra e, em conjunto, voltam a cheirar o odor da terra e daquelas paredes caiadas de branco impregnadas do sarranho dos bons chouriços defumados com lenha da região. Mas o Inverno onde as trevas ganham terreno á luz parece-lhe mais forte ano após ano. Longo, implacável, duro de suportar. É difícil para Ti Elidio fazer mais do que limitar-se a contemplá-lo da janela, a queimar tudo de leve geada, cobrindo as árvores nuas e secas com uma película branca, devastando, com pequenos dilúvios, as terras alagadas. Antigamente, estas inundações faziam prever uma abundante pesca do sável, com alegres serões agarrados às redes, aquecidos pelo calor do grupo de amigos. Longe vão esses tempos e Ti Elidio está velho. Com os olhos trémulos, vê, no vidro da velha janela, a sua imagem transparente, careca como a vinha no fim do Outono; o rosto preenchido de traços como se os sulcos que, ao longo de tantos anos, abrira na terra, tivessem acabado por se reflectir na pele; os lábios roxos denunciam a falta de cor e fervor de sangue velho, corcovado, de bengala, na carne flácida dos braços notam-se as veias dilatadas por onde já correram força e vitalidade. Só as suas mãos mantêm alguma força do passado. Mãos grossas, calejadas do trabalho que, cruelmente, só o sustentava com côdeas duras do pão que o diabo amassou pois fartura foi coisa que nunca conhecera. E agora “o diabo das dobradiças dos ossos” calcinadas pela idade, o “reumático” que pouco movimento lhe possibilita...

Em muito se assemelha Ti Elidio ao velho castanheiro do quintal, compadres na velhice e no desamparo. Também o castanheiro está no fim da sua vida, só com galhos secos sem folhas. Também outrora correra pelas suas veias a seiva viva e palpitante, dando muito fruto grande e saboroso, agora só pequenos ouriços deixam entrever castanhas pequenas e amargas, mal alimentadas pela seiva que ainda corre pelo tronco cada vez mais torto, cada vez mais frágil, dependendo, a custo das fracas raízes. Aqui e ali vai apodrecendo, enchendo-se de musgo e fetos e deixando-se cobrir por trepadeiras que o invadem e debilitando-o.

Este homem sábio da vida, amadurecido pela experiência e pelo sofrimento, perde no meio da solidão labiríntica, a noção do tempo. Fica longas horas agarrado às lembranças e recordações de quando tinha outro vigor, de quando a terra onde nasceu e cresceu estava possuída por uma imensa alegria. Um tempo onde era um rapaz de sonhos, de muita esperança e de algumas maroteiras e que convidava as moças para dançar ao som de músicas tocas por concertinas desafinadas. Por vezes, ainda consegue sentir as vibrações desses sons que logo se vão diluindo, regressando para sempre ao passado. Passado esse que agora embala nos seus braços na forma de um álbum de fotografias cheias de imagens. Pedaços de vida, dos quais se vai despedindo, aos poucos sempre que o abre.

Num dia igual a tantos outros, Ti Elidio tenta dar andamento às horas e vai entrelaçando, como só ele sabe, um cesto de vimes, sentado na cadeira de baloiço ao lado da janela, para aproveitar a claridade da luz matinal. Mas os dedos não obedecem e os vimes vão-lhe escorregando das mãos. Interrompe o que está a fazer. Olha fixamente para os vidros. No seu olhar, há luz e trevas. Há passado e presente. Há o tudo de uma vida cheia e o nada da solidão. Exausto, deixa que um suspiro lhe saia do fundo do peito, do fundo da alma. Encosta-se na cadeira, fecha os olhos e fica imóvel. Aí, lentamente deixa-se arrefecer, igual á pedra do velho granito que suporta a janela por onde tantas vezes olhou. A sua alma liberta-se, finalmente, do cativeiro da vida, da prisão da solidão. De rosto aliviado e de consciência tranquila deixando correr as magoas que há muito deviam ter sido choradas mas que a carne soube conter.

Sinto-me: Preso

Juras?

 

Sempre achei, salvo raras excepções, que as telenovelas portuguesas eram de má (estou a ser simpático) qualidade, ainda para mais se compararmos com as brasileiras. Diálogos insossos, muito mecanizados, liricamente decorados e por vezes sem nexo algum...

Dado este cenário, um dos canais portugueses produziu uma novela um tanto ou nada diferente das outras. Como ainda não começou a ser transmitida o que vou dizer será apenas especulação.

Pela publicidade que já vi da novela, ela apresenta-se recheada de cenas de sexo, com mulheres despidas (de roupa e de pudor)! Por momentos pensei que o meu pai tivesse aderido à TvCabo e eu, sem querer, estivesse a ver o Sexyhot ou o Vénus! Sendo uma novela, é dirigida às famílias, logo imagino o constrangimento que será uma família assistir a um episódio destes (cada elemento a olhar para o tecto ou a assobiar para o lado a disfarçar)! Porém, tendo em conta a televisão actual, este não seria o escândalo maior. O que me faz confusão é o horário a que ela será transmitida, por volta das 22h! Além de muitas criancinhas ainda estarem acordadas, a novela é transmitida logo a seguir a um dos maiores êxitos infantis do respectivo canal! Depois admiram-se se a história da cegonha já não pegar...

Eu tenho uma suspeita que esta jogada é um contra-ataque ao que outro canal vai fazer. Esse outro canal vai, através de outro êxito infantil, ensinar as crianças a falar inglês (é de salutar a ideia), tendo em conta a premissa de “serviço público”. Logo, a novela também pretende prestar serviço público, ensinando os rituais de acasalamento humano aos petizes, de modo a que eles aprendam o mais cedo possível e cheguem a adultos transformados numas autênticas máquinas sexuais!

Se a novela ao menos relatasse relacionamentos entre marido e mulher ou entre namorados, bem...não seria péssima, seria apenas muito má! Contudo, a história da novela tem por base um conjunto de traições, infidelidades! E será com esta ideia que estes pequenos irão crescer, que trair é coisa mais natural do mundo, que os casamentos são sol de pouca dura, que cada homem consegue duas ou três ao mesmo tempo (alguns nem uma)...

Ao enveredar-se por este caminho, palavras e sentimentos como confiança, lealdade, fidelidade, responsabilidade, compromisso e amor vão sendo assassinadas lentamente (talvez mais depressa do que imaginámos).

 

Nota – todos os textos que escrevi até agora foi na tentativa de fazer rir, criticando (críticas leves, é certo, por vezes forçadas, chegando a contradizer a minha maneira de pensar e de ser). Com este, pelo contrário, não pretendo que as pessoas se riam ao lê-lo. Espero, dentro da minha insignificância, fazer com que as pessoas (leitores) reflictam, concordando ou não comigo.

Sinto-me: sem comentátios
Roído por Queijo Jeitoso às 09:28

Ratoeira do post | Envenenar (comentar!) | favorito

Consultório sexual

 

Como rato interessado e estudioso que sou, quando leio revistas ditas “cor-de-rosa”, costumo parar nas páginas em que supostos especialistas aconselham pessoas que colocam questões, pertinentes (ou não), sobre alguma coisa que as aflige. Digo supostos especialistas, pois não concordo com alguns dos conselhos que dão...

De seguida vou resumir alguns casos e vou dar o meu parecer.

 

Caso 1 – Rapaz apaixona-se pela irmã e fantasia com ela.

Conselho da terapeuta – tirar essa ideia da cabeça, namorando, ou em último caso, fantasiando com alguma mulher famosa.

Conselho meu – Caro amigo, vá em frente. Não se preocupe com as opiniões alheias, pois de hipocrisia está o mundo cheio.! Se tem uma irmã podre de boa, o mínimo que tem a fazer é aproveitar! É um rapaz cheio de sorte...eu nem irmãs tenho! E há outra coisa, se aos olhos de Deus somos todos irmãos, segundo esta pseudo especialista, não podia haver relacionamentos! Relativamente a arranjar namorada, deixe que lhe diga que há pessoas que pensam que basta estalar os dedos e elas aparecem! Puro engano. Ainda para mais nos dias de hoje, que não se pode confiar em ninguém! Enamorar-se pela irmã é uma opção muito inteligente, cheia de vantagens. Vejamos, já a conhece bem e sabe com o que conta, já conhece os seus futuros sogros, tios, primos...evita que os filhos dela sejam seus sobrinhos (diminuindo as prendas a dar no Natal e nos anos) e eliminam logo à partida qualquer problema com as partilhas! Quanto a fantasiar com mulheres conhecidas...querem estes pseudo especialistas ensinar o padre nosso ao vigário...

 

 

Caso 2 – O meu namorado disse-me que se engolir o esperma dele, as minhas maminhas aumentam. É verdade?

Resposta da terapeuta – Claro que é mentira!!! Dahhh!!!

Resposta minha – Desta vez e por mero acaso concordo com a terapeuta. Cara amiga, deixe-me dizer-lhe que tem um namorado muito inteligente (ainda não me tinha lembrado dessa)! Pegar num dos pontos mais sensíveis (responsável por muitas frustrações) das mulheres dá sempre resultado. Quanto às mamas crescerem, bem...nunca se sabe! (mas a estupidez, pelos vistos, cresce proporcionalmente ao esperma engolido) A ser verdade, lá se vai o negócio dos implantes de silicone ao ar...para contentamento dos homens! Os bancos de esperma também serão beneficiados, pois a procura irá aumentar! Se isto fosse verdade, coitadas das mulheres mais avantajadas (eram logo denunciadas)!

Sinto-me: Conselheiro sexual
Roído por Queijo Jeitoso às 09:26

Ratoeira do post | Envenenar (comentar!) | favorito

Da janela de minha casa

Da janela de minha casa vejo em redor

Sentindo uma enorme contradição

De sair e enfrentar o exterior

Ou render-me ao conforto da minha mansão.

 

Do vidro vejo por vezes dançar

Os ramos ao som do vento

Mas medo tenho de me arrepiar

Se ir para o frio se tornar meu intento.

 

Reparo em duas borboletas formosas

Voando, a brincar duas crianças parecem;

Escondidas só das tardes chuvosas

Ignoram o perigo que as aranhas tecem.

 

O grão de terra duma batida estrada

Só entre as raízes da erva está seguro

Pois a poeira, mar de ondas, viaja agitada

Corroída do descoberto rochedo duro.

 

Mesmo a água da chuva sem sal

Devia no mar deixar-se estar

Aventura-se para tão alto degrau

Acabando no chão por se esborrachar.

 

Mas correr riscos não é prejuízo

Se com esperança se souber defender,

Lá fora também a natureza tem seu sorriso

Senão de que serviria viver?

Sinto-me: Caseirinho
Roído por Maganão às 09:23

Ratoeira do post | Envenenar (comentar!) | favorito

Maldade

Pode começar numa dúvida

Pelo bem ou mal a incerteza

O remorso tira algum sabor à comida

Temperando a atitude com certa fraqueza

 

Convicção errada também é triste

Quando enraizada no coração

Não só porque ela existe

Mas pelos frutos que dela virão.

 

Assim me aflijo com medo

Do mal que apenas com um dedo

Fizer naquilo que tocar

 

Por momentos pôr um homem cego

Que por apontar dura como um prego

Num olho a unha possa cravar.

Sinto-me: Mau!!!
Roído por Maganão às 09:22

Ratoeira do post | Envenenar (comentar!) | favorito

Enfermo

Pouco a pouco metia-se à cama

Sem febre, dores ou por estar rouco

De preguiçoso começou a fama

Só por descansar mais um pouco.

 

Apático e triste parecia curvado

De olheiras com um ar de sono,

Bocejante de rosto pouco corado

Repostado no improvisado trono

 

Nos seus olhos o entardecer do sol

Notava-se o vermelho horizonte

Molhados, um lago com rasto de caracol

Eram as lágrimas a sua fonte.

 

Por debaixo do leito na garagem

Estacionado residia o leproso penico

Para quem nem sequer tomava aragem

Muito era o levantar prescrito p’lo médico.

 

De suspiros ressoava o seu desabafo

Para as paredes suas confidentes

Não sei mesmo se queria ser safo

Para a vida e seus incidentes.

Sinto-me: Doente
Roído por Maganão às 09:20

Ratoeira do post | Envenenar (comentar!) | favorito

Soneto errante

Cai o justo todos os dias,

Tropeça o que avança devagar

Olha melhor para onde pisas

Para não voltar a escorregar

 

Mas levantar, virar página é preciso

E repensar em novos caminhos

Da lição leva novo juízo

Águas passadas não movem moinhos

 

Ainda bem que humor é como o tempo

Que por fim com pouco de vento

Leva as negras nuvens da tristeza

 

Não deixes que a debilidade te atormente

Arrepende-te como o resto da gente

E cuida-te noutro parecido momento.

Sinto-me: um errante!

>‘.’<)---Culpados!

>‘.’<)---Mirones!


Contador Grátis

>‘.’<)---Atempadamente:

>‘.’<)---Ninhos de papel

>‘.’<)--- Agosto 2015

>‘.’<)--- Março 2015

>‘.’<)--- Julho 2014

>‘.’<)--- Dezembro 2013

>‘.’<)--- Novembro 2013

>‘.’<)--- Julho 2013

>‘.’<)--- Junho 2013

>‘.’<)--- Fevereiro 2013

>‘.’<)--- Outubro 2012

>‘.’<)--- Setembro 2012

>‘.’<)--- Agosto 2012

>‘.’<)--- Julho 2012

>‘.’<)--- Abril 2012

>‘.’<)--- Novembro 2011

>‘.’<)--- Setembro 2011

>‘.’<)--- Julho 2011

>‘.’<)--- Abril 2011

>‘.’<)--- Março 2011

>‘.’<)--- Janeiro 2011

>‘.’<)--- Dezembro 2010

>‘.’<)--- Setembro 2010

>‘.’<)--- Agosto 2010

>‘.’<)--- Junho 2010

>‘.’<)--- Março 2010

>‘.’<)--- Janeiro 2010

>‘.’<)--- Dezembro 2009

>‘.’<)--- Outubro 2009

>‘.’<)--- Setembro 2009

>‘.’<)--- Agosto 2009

>‘.’<)--- Julho 2009

>‘.’<)--- Junho 2009

>‘.’<)--- Maio 2009

>‘.’<)--- Abril 2009

>‘.’<)--- Março 2009

>‘.’<)--- Fevereiro 2009

>‘.’<)--- Janeiro 2009

>‘.’<)--- Dezembro 2008

>‘.’<)--- Novembro 2008

>‘.’<)--- Setembro 2008

>‘.’<)--- Abril 2008

>‘.’<)--- Março 2008

>‘.’<)--- Janeiro 2008

>‘.’<)--- Setembro 2007

>‘.’<)--- Agosto 2007

>‘.’<)--- Junho 2007

>‘.’<)--- Maio 2007

>‘.’<)--- Abril 2007

>‘.’<)--- Fevereiro 2007

>‘.’<)--- Janeiro 2007

>‘.’<)--- Dezembro 2006

>‘.’<)--- Novembro 2006

>‘.’<)--- Outubro 2006

>‘.’<)--- Setembro 2006

>‘.’<)--- Julho 2006

>‘.’<)--- Junho 2006

>‘.’<)---"Tocas"

>‘.’<)---Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31

>‘.’<)---Farejar nesta toca

 

>‘.’<)---Queijos recentes

>‘.’<)--- Composição “As minhas fér...

>‘.’<)--- Considerações do Show (da...

>‘.’<)--- Há Volta...em Fafe!

>‘.’<)--- Passear ou ser passeado.....

>‘.’<)--- O amor e o coração…o fim ...

>‘.’<)--- Marés Vivas…o engodo!

>‘.’<)--- Peculiaridades do dia Rih...

>‘.’<)--- Promoções da Ordem

>‘.’<)--- Prémio Nobel - Mais que j...

>‘.’<)--- O que aconteceu?!

blogs SAPO

>‘.’<)---subscrever feeds