Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2009

Fazer Sexo ou “O amor”?

Há uns tempos atrás surgiu a expressão “fazer o amor”, que não é mais que uma forma mais romântica de designar o truca truca, vulgo sexo! Mas o que é o Amor? Pesquisando na Net encontram-se várias definições…por exemplo “freguesia portuguesa do concelho de Leiria”! Mais a sério, é “palavra de quatro letras, duas vogais, duas consoantes e dois idiotas”; “uma insanidade temporária curada pelo casamento”; “sentimento que temos por alguém cuja presença nos provoca a sensação de paz e aconchego!” (Paz? Só se for paz paz paz!) e por fim, uma definição mais irónica, “significa afeição, compaixão, misericórdia, ou ainda, inclinação, atracção, apetite, paixão, querer bem, satisfação, conquista, desejo, libido”! E qual a definição de sexo? Pesquisando no mesmo sítio temos “É AQUILO QUE QUANDO É BOM É ÓPTIMO. MAS MESMO QUANDO É RUIM AINDA É MUITO BOM!” ou “acto de copular, coito; modo reprodutivo adoptado pelas espécies animais!” Que conclusão se pode tirar? Amor é diferente de sexo, mais nada…mais, quantas pessoas têm relações sexuais sem amarem (ou mesmo conhecerem) a outra pessoa? Será que as meninas da vida amam todos os clientes? Humm…não creio. Sexo existe sem amor…amor existe sem sexo (mas que dá um certo jeito dá!)! Isto tudo para dizer que quem inventou a expressão “fazer o amor” é um energúmeno de primeira. Senão porque é que não se diz “amor anal”, “amor oral”, “amor vaginal”…seria muito mais soft, certo? E quanto aos filmes porno…passariam a ser “Filmes de actividade amorosa”! Deixemo-nos de eufemismos…não é crime duas pessoas dizerem “vamos fazer sexo?” (isto para não dizer fod…) …com ou sem amor… Ah…um aparte…acho só há duas explicações para a igreja reprovar os relacionamentos sexuais antes do casamento e sem ser para reprodução (onde já se viu alguém, com a crise, estar limitado a ter só uma ou duas relações sexuais na vida porque não pode ter muitos filhos?) …que são: 1º Os padres nunca experimentaram e têm inveja das pessoas; 2º Ou já experimentaram e querem o monopólio da coisa! Há coisas que ainda não percebo…
Sinto-me: Filósofo!
Roído por Queijo Jeitoso às 03:02

Ratoeira do post | Envenenar (comentar!) | favorito
|
5 comentários:
De Pequenina a 22 de Janeiro de 2009 às 17:05
so tu, pra a brincar brinca e nos fazer rir argumentar sobre estas coisas..so TU!
De claudia a 23 de Janeiro de 2009 às 02:02
ai ai ai.......com bolinha vermelha no fundo do ecrã do pc ...e k me atrevi a ler este atrevido rascunho, escrito pelas mãos de um ilustre quase conhecido.:)... KAKKAKAKKA se eu não te conhecesse tão mas tão bem diria k nem era teu:)
De fada sinhinho... a 25 de Janeiro de 2009 às 18:59
UI, mas que dissertação tão profunda... com uma profundidade profunda!!!

Está tudo correcto, mas so falta uma coisinha!! O amor sem o sexo não vai a lado nenhum!!! Concordas não concordas?
De um Amor de Pessoa (Ninfomaníaco) a 25 de Janeiro de 2009 às 21:25
Olá! Venho por este meio dizer que, já cá fazia falta um texto deste tipo no blog, pelo que fiquei muito contente quando pude ler e apreciar este post . Acho que foi uma obra muito pertinente, não só pelo interesse que tem, mas também pela reflexão que faz! De realçar também o engenho da redacção que inclui a ironia e argumentação num tom ameno de boa disposição, onde põe em consideração vários aspectos e conclusões que alguns entenderão como “verdades de La Palice ”, mas no meu ver fazem todo o sentido... Sobre sexo, o que acontece muitas das vezes, é um pouco, que toda a gente sabe tudo e ninguém sabe nada. Sabem ou limitam-se a saber frequentemente, que há pelo menos uma entrada e uma coisa que entra (e sai “como dizia o pai”), e que é bom... Desconhece-se que o sexo não se limita há penetração com o acto sexual, e o amor não é só entre duas pessoas que num dado momento se conhecem e sentem uma atracção uma pela outra. Amor e sexo, sinceramente, na minha opinião, são dois temas distintos que estão muito relacionados, até pela sua complexidade e abrangência de definições e valores que envolvem. Portanto, acho em parte compreensível que haja confusão, pois podem ser vivenciados em simultâneo, mas cada qual à sua maneira numa experiência única e pessoal que nem sempre é muito concreta e delimitada. Eu para terminar e para deixar de ser tão pesado (chato) gostava de deixar presente que, uma das coisas que nos distingue, a nós seres humanos, dos animais é a nossa capacidade de amar e de expressar esse amor seja por relações sexuais ou em bondade/caridade e há muitos caminhos e opções a seguir para o fazer. Acredito que a grande maioria delas seja boa desde que se respeitem e estejam de acordo ambas as partes. Um conselho que deixo é que não sejam fundamentalistas! A concepção de que “até os animais gostam” não faça de nós seres irracionais ciosos, nem o terror ao “pecado” nos torne reprimidos, desconfiados. Mais uma vez a expressão “no meio é que está a virtude” faz todo o sentido. Busquem um sentido mais profundo e não a superficialidade, que de certeza encontrarão respostas e preencherão um vazio...
De Mara a 27 de Janeiro de 2009 às 21:48
Pois é Sr. Queijo Jeitoso... Uma definição dessas é muito complicado.. Ainda p mais quando uma e outra interligam-se.. hummmm. Mas gostei de ver essse pensamento k é sempre complicado de expressar. Mais vale ter o devido cuidado com um ou com o outro.. Beijinhos

Envenenar post

>‘.’<)---Culpados!

>‘.’<)---Mirones!


Contador Grátis

>‘.’<)---Atempadamente:

>‘.’<)---Ninhos de papel

>‘.’<)--- Agosto 2015

>‘.’<)--- Março 2015

>‘.’<)--- Julho 2014

>‘.’<)--- Dezembro 2013

>‘.’<)--- Novembro 2013

>‘.’<)--- Julho 2013

>‘.’<)--- Junho 2013

>‘.’<)--- Fevereiro 2013

>‘.’<)--- Outubro 2012

>‘.’<)--- Setembro 2012

>‘.’<)--- Agosto 2012

>‘.’<)--- Julho 2012

>‘.’<)--- Abril 2012

>‘.’<)--- Novembro 2011

>‘.’<)--- Setembro 2011

>‘.’<)--- Julho 2011

>‘.’<)--- Abril 2011

>‘.’<)--- Março 2011

>‘.’<)--- Janeiro 2011

>‘.’<)--- Dezembro 2010

>‘.’<)--- Setembro 2010

>‘.’<)--- Agosto 2010

>‘.’<)--- Junho 2010

>‘.’<)--- Março 2010

>‘.’<)--- Janeiro 2010

>‘.’<)--- Dezembro 2009

>‘.’<)--- Outubro 2009

>‘.’<)--- Setembro 2009

>‘.’<)--- Agosto 2009

>‘.’<)--- Julho 2009

>‘.’<)--- Junho 2009

>‘.’<)--- Maio 2009

>‘.’<)--- Abril 2009

>‘.’<)--- Março 2009

>‘.’<)--- Fevereiro 2009

>‘.’<)--- Janeiro 2009

>‘.’<)--- Dezembro 2008

>‘.’<)--- Novembro 2008

>‘.’<)--- Setembro 2008

>‘.’<)--- Abril 2008

>‘.’<)--- Março 2008

>‘.’<)--- Janeiro 2008

>‘.’<)--- Setembro 2007

>‘.’<)--- Agosto 2007

>‘.’<)--- Junho 2007

>‘.’<)--- Maio 2007

>‘.’<)--- Abril 2007

>‘.’<)--- Fevereiro 2007

>‘.’<)--- Janeiro 2007

>‘.’<)--- Dezembro 2006

>‘.’<)--- Novembro 2006

>‘.’<)--- Outubro 2006

>‘.’<)--- Setembro 2006

>‘.’<)--- Julho 2006

>‘.’<)--- Junho 2006

>‘.’<)---"Tocas"

>‘.’<)---Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31

>‘.’<)---Farejar nesta toca

 

>‘.’<)---Queijos recentes

>‘.’<)--- Composição “As minhas fér...

>‘.’<)--- Considerações do Show (da...

>‘.’<)--- Há Volta...em Fafe!

>‘.’<)--- Passear ou ser passeado.....

>‘.’<)--- O amor e o coração…o fim ...

>‘.’<)--- Marés Vivas…o engodo!

>‘.’<)--- Peculiaridades do dia Rih...

>‘.’<)--- Promoções da Ordem

>‘.’<)--- Prémio Nobel - Mais que j...

>‘.’<)--- O que aconteceu?!

blogs SAPO

>‘.’<)---subscrever feeds